abril
2019
19

O Caminho

Existe uma história que narra a caminhada de um indivíduo a um determinado lugar que quer chegar. Ao passar por um morro alto ele pára por um momento pra apreciar a paisagem, ao mesmo tempo em que procura no vale abaixo, os pontos de referência importantes para encontrar o seu caminho. Uma encruzilhada mais adiante, depois da ponte sobre o rio. A mata à direita, os campos à esquerda. Após aprender o mapa retoma a caminhada e logo depois não vê mais o vale e somente pode enxergar as coisas mais próximas. Atento este caminhante observa o terreno e os arredores, aprendendo os detalhes da estrada. Ele sabe que precisa cruzar a ponte e chegar até a encruzilhada, que viu lá de cima. Contudo, até lá ainda tem um bom trecho andando, com circunstâncias variadas no desenrolar.

Uma vez contei essa história, ilustrando um ponto de uma conversa. E ouvi de uma amiga, uma acadêmica respeitada, de cujos livros bebi sempre que pude, que a história realmente importante era a do caminhante e os detalhes, obstáculos, contornos, enfim, a luta do andar sobre a terra com os próprios pés. Palavras minhas. Fiquei um pouco sem entender o porquê da observação, exatamente.

Mais tarde, pensando sobre, compreendi que no seu entendimento andar e enfrentar o caminho a cada metro, quilômetro, era a verdadeira caminhada e este era o verdadeiro caminhante. E que aquele que ficara olhando a paisagem do alto do morro não era a mesma pessoa, mas talvez uma espécie de elite que fica observando a paisagem para indicar o caminho aos outros.

Mas não. É a mesma pessoa. São momentos diferentes do mesmo caminho e da mesma pessoa. E os dois são igualmente importantes.


Deixe seu comentário

*